Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alter Ego

Hidden side of the moon... Reverse is the right side.

Hidden side of the moon... Reverse is the right side.

Alter Ego

26
Mar19

Vamos brincar...o inicio


Laura Antunes

...Cheguei ao Porto, estacionei no parque habitual, tinha ouvido o sinal de chegada de mensagem logo após desligarmos a chamada e estava curiosa quanto ao local escolhido.

Vi a mensagem e sorri, não conhecias bem a cidade mas eu conhecia o teu bom gosto e não me surpreendeu a tua escolha: um lugar icónico da cidade, recentemente recuperado e reaberto. Estava perto do local e fui descendo as ruas àquela hora menos movimentadas por ser hora de jantar.

Viam-se turistas com ar animado e alguns moradores das imediações, provavelmente de regresso a casa depois de um dia de trabalho, com o ar de quem recorda as férias de Agosto com nostalgia e a resignação de ter doze meses para aguardar pelas próximas. Estava uma noite de Setembro agradável, com uma temperatura amena e uma leve brisa que convidava a um passeio à beira rio e uma bebida numa esplanada.

Cada passo que me aproximava do local, a Brasileira, sentia a pulsação acelerar. Ía o mais pausadamente possivel para contrariar a minha agitação interior. Senti alguns olhares à minha passagem...é incrivel como o estado de espirito emana uma energia que se materializa e ilumina as pessoas em alguns raros momentos.

Entrei naquele espaço requintado, olhei em volta à tua procura e de mesa para me sentar, não te vi e instalei-me junto a uma janela, de frente para a porta principal de onde supûs surgirias.

Respirei fundo, inconscientemente tinha vindo a suster a respiração e isso estava a cansar-me. Pedi uma água das Pedras fesca e fui apreciando os detalhes daquele espaço, bebendo, refrescando-me e acalmando...inesperadamante senti um perfume que reconheci imediatamente atrás de mim...um odor que passe o tempo que passar e esteja onde estiver me irá sempre fazer virar a cabeça para tentar descobrir entre a multidão onde está quem o emana...quando olhei na direcção que o meu olfato de indicava, tu tinhas passado por detrás de mim e estavas no bar ao balção, num patamar superior, de costas voltadas.

Sustive a respiração até que senti faltar-me o ar, o coração acelerou numa arritmia que seria preocupante se não estivesse ciente do motivo, sentia um misto de aflição e prazer...

Tu...elegante de cortar a respiração: todo de preto, camisa impecavel, calças de sarja e uns sapatos lindissimos de pele baça enrugada, um estilo casual chique que te acentava na perfeição. Enquanto te observada de costas, apreciava a tua elegancia, eras muito bem parecido, cabelo liso, um corte médio num desalinho arranjado...imaginava os teus olhos penetrantes, a tua boca bem desenhada e o teu rosto anguloso emoldurado pela barba de três dias que a ficar grisalha te dava um ar irresistivel e carismatico...

Continuavas de costas e eu nos meus devaneios...percebi entretanto que tendo surgido da porta atrás de mim e estando arranjado como estavas, te terias instalado no hotel dos pisos superiores.

Entretanto o barman colocou à tua frente uma bebida que não consegui identificar, pegaste nela e viraste-te lentamente...senti um arrepio.

Olhaste em volta, sem que o teu olhar sequer se detivesse em mim e dirigiste-te descontraidamente para uma mesa vaga do lado oposto onde me encontrava.

O teu olhar vagueou pelo espaço em contemplação e fixou-se no ambiente exterior que se avistava da janela em frente a ti. Parecias tão absorto nos teus pensamentos que quase suspeitei se não te terias esquecido que estava ali a uns passos de ti..ou isso ou se me teria tornado invisivel.

A tensão em mim crescia e atingia niveis que eu não sabia existirem e muito menos ser capaz de sentir...

Não sei quanto tempo passou...uma eternidade para mim até que lentamente voltaste novamente o teu olhar para a sala e percorreste-a...parando uns segundos em mim e continuando pelo espaço e pessoas presentes numa apreciação discreta e calma de quem tem todo o tempo do mundo e nada importante para fazer além de usufruir aquele momento solitário de tranquilidade.

Eu já não sei se fervia se gelava...estava a terminar a minha água e estava na expectativa sobre como agir...nesse momento os nossos olhares cruzaram-se e tu mantiveste o contacto visual. Vi nele um leve sorriso de aprovação mas sem qualquer sinal de reconhecimento ou intimidade.

O teu olhar distraiu-se novamente pela sala e parecias perdido em pensamentos só teus enquanto saboreavas em goles curtos a tua bebida...parecias deliciado e alheado do mundo que te rodeava.

A minha impaciencia natural depois de ter atingido niveis que desconhecia ser possivel suportar, para meu pasmo, inesperadamente, deu lugar a uma serenidade que não sei explicar como surgiu. Nesse estado eu própria me abstraí do que me rodeava e fixei o meu olhar em ti e assim fiquei, meio embriagada a observar-te sem pudores.

A minha atitude, obteve a reacção natural numa situação análoga...sentindo-te observado, retribuiste a atenção e os nossos olhares fixaram-se numa descoberta mútua, numa avaliação de intenções...durou uns segundos que me pareceram longos...sorri-te e tu inclinaste  o copo que tinhas na mão na minha direcção num cumprimento. Instintivamente peguei no meu copo vazio e imitei o gesto na tua direcção.

Vi-te levantar de copo na mão na direcção do bar, chamar o barman que antes te tinha atendido.. Eu continuava de olhos postos em ti. Um minuto passou até que uma bebida igual á que tinhas na mão foi posta à tua frente, pegaste-lhe com a mão disponivel e vieste na minha direcção...sustive a respiração.

Paraste à minha frente e com um leve sorriso, cumprimentaste-me com um "boa noite! e continuaste: acho uma chatice beber sozinho, se partilhar da mesma opinião que me diz sentarmo-nos juntos?"

Achei a tua abordagem deliciosa...sorri abertamente, afastei a cadeira ao meu lado, da mesa, num convite para te sentares  e disse um " boa noite!... Laura, muito gosto!"

Pousaste os copos, o que tinhas acabado de pedir ao balcão na minha frente, estendeste-me a mão num cumprimento, que no momento em que as nossas mãos se tocaram, senti como um choque electrico, a atravessar-me o corpo e a alma..." Emanuel! muito gosto também!"

Foi o inicio da nossa primeira brincadeira...

@LuzEmMim

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D