Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alter Ego

Hidden side of the moon... Reverse is the right side.

Hidden side of the moon... Reverse is the right side.

Alter Ego

02
Abr19

De volta ao meu mundo.


Laura Antunes

...durante o pequeno almoço a minha atenção centrou-se nas pequenas maravilhas que tinha à minha frente.

Era impossivel ficar indiferente aquela explosão de sabores que nutriam o corpo e a alma. Naquele espaço de tempo a mente abrandou o ritmo e o pensamento hibernou para outras paragens.

Quando terminei, olhei as horas e percebi faltar pouco mais de uma hora para o horario normal de chek out pelo que era tempo de me arranjar para sair.

Dirigi-me à sala de banho para um duche, que não seria rápido...nunca consigo que seja e num local lindo e aconchegante como aquele, a pressa era-me imponderável.

Tenho uma espécie de fascínio por salas de banho bonitas, sou capaz de passar horas nesses espaços em divagações, perdida em pensamentos e conjecturas...

Deixei a água acariciar-me o corpo numa massagem o tempo suficiente para também me desanuviar o espirito.

Quando terminei, arranjei-me para sair.

Recolhi as minhas coisas e acomodei-as dentro da mala que tinha trazido, lembrei-me entretanto da bolsinha acetinada em cima da mesa da entrada...Abri-a para juntar a peça de lingerie à roupa para lavar...junto dela vi surgir um papelinho dobrado que abri intrigada: estava escrito por ti:  "só fazes isto, quando to mandar fazer!"

 Ri-me da tua provocação, com aquela sensação de criança rebelde apanhada em falta...que sabe que vai voltar a prevaricar!

Lançei um ultimo olhar ao quarto para memorizar algum pormenor que me tivesse escapado, fechei a porta e saí.

Ocorreu-me que tinha de me dirigir à recepção para avisar da minha saída e senti-me ligeiramente incomodada...não apreciava a sensação de ter de sair sozinha, tendo entrado acompanhada...as portas do elevador abriram e não tive tempo para me aborrecer muito com a assunto.

Dirigi-me ao recepcionista que inexplicavelmente parecia saber exactamente o que eu pretendia e concluiu que o "meu marido" tinha deixado tudo tratado antes de sair.

Saí dali rumo ao parque de estacionamento. Uma hora de viagem é muito tempo para matutar...

Escolhi um cd da minha banda preferida, Depeche Mode e o meu cérebro começou a fervilhar ao mesmo ritmo.

Queria ligar-te, falar contigo, saber onde estavas, o meu lado emocional queria fazer isso, o racional não concordava.

Enervava-me e magoava-me o teu silêncio.

Não percebia o objectivo da tua atitude.

Não percebia as tuas contradições e começava a não saber o que esperar de ti e desta relação...

A minha mente obsessiva perdia-se em especulações...uma parte da minha mente, porque outra visualizava em flashes a noite anterior desde o momento que senti desfazeres o laço do meu roupão...

Visualizar-me de olhos vendados naquela situação provocava-me uma sensação de prazer intenso e o meu corpo reagia, contraindo-se.

Imaginar a minha propria imagem como espectadora e não protagonista da cena ruborizava-me...

Relembrar o momento em que te senti fazer o roupão deslizar pelos meus ombros... senti-lo cair no chão e tu muito lentamente com as pontas dos dedos tocares os contornos do meu corpo...senti-lo reagir a cada milimetro de pele tocada sob a camisa de noite...

Sentir-te segurar as finas alças da camisa  e com uma calma que me arrepiava, deslizar-las pelos meus ombros e braços até me deixares a parte superior do corpo exposta e agrilhoada pela camisa que sustinhas e que me envolvia os braços ao nivel da cintura... sentir-te imovel em contemplação... sentir-me derreter de desejo.

Tentar mover-me na tua direcção e ouvir um "quieta" que me paralizava até o pensamento...

Estar ali, apenas vendada e senti-me como se estivesse acorrentada, tão grande era o teu dominio sobre mim naquele momento.

Sentir que irias continuar a desvendar-me deixando a camisa de noite cair-me aos pés...

Sentir-me simi-nua e vendada diante de ti... sentir-te a milimetros de mim a rodear o meu corpo sem me tocar numa especie de dança que me enlouquecia...que me enlouqueceu ao ponto de não me conseguir conter mais, retirar a venda, enlaçar-te com ela e puxar o teu corpo contra o meu, com uma urgencia tal que te foi impossivel resistir...

Não sei quando adormeci, só quando acordei...

Acordei pela segunda vez naquele dia quando parei o carro à porta de casa.

Estava de volta ao meu mundo...

@LuzEmMim

 

 

 

 

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D